NOVA RÁDIO CLUBE SERRINHA 24 HORAS NO AR

RADIOS NET:MELHOR PLATAFORMA DE RÁDIOS

A BIBLIA É A PALAVRA DO DEUS VIVO JEOVÁ.

A BIBLIA É A PALAVRA DO DEUS VIVO JEOVÁ.
DISSE JEOVÁ DEUS: "Jeová disse então a Moisés e a Arão: “Se Faraó lhes disser: ‘Façam um milagre’, diga a Arão: ‘Pegue o seu bastão e jogue-o no chão diante de Faraó.’ O bastão se transformará numa cobra grande.”De modo que Moisés e Arão se apresentaram a Faraó e fizeram exatamente como Jeová havia ordenado. Arão jogou seu bastão no chão diante de Faraó e dos servos dele, e o bastão se transformou numa cobra grande. No entanto, Faraó convocou os sábios e os feiticeiros; e os sacerdotes-magos do Egito fizeram a mesma coisa com a sua magia. Cada um deles jogou seu bastão no chão, e eles se transformaram em cobras grandes; mas o bastão de Arão engoliu os bastões deles. Ainda assim, o coração de Faraó ficou endurecido, e ele não os escutou, assim como Jeová havia falado".Êxodo 7:1-25

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021

Curaçá: Justiça determina interdição de carceragem de cadeia pública

A Justiça determinou a interdição da cadeia pública do Município de Curaçá, a pedido do Ministério Público da Bahia (MP-BA) em uma ação civil pública. Segundo o promotor de Justiça, Márcio Henrique de Oliveira, o Estado realizou a transferência de todos os presos que estavam lotados na carceragem da Delegacia de Polícia para o Conjunto Penal de Juazeiro. A determinação foi proferida no último dia 7 de fevereiro.


O juiz Paulo Ney de Araújo proibiu que a cadeia de Curaçá receba qualquer preso ou adolescente apreendido, a não ser detenções de no máximo 24 horas para realização de transferência. O descumprimento dessa determinação gera multa de R$ 10 mil por detento que permaneça na unidade carcerária de forma irregular.

Na decisão, o magistrado apontou que os documentos trazidos pelo MP, relatórios do Corpo de Bombeiros e laudos da vigilância sanitária e do Departamento de Polícia Técnica (DPT), indicaram riscos à segurança e saúde dos presos, inclusive quanto à proliferação de doenças infectocontagiosas no local.


 “É inegável e claro o descumprimento por parte do Estado da Bahia, pelo menos no tocante à Cadeia Pública de Curaçá, de seus deveres de implementar as condições básicas exigidas pela Lei de Execução Penal para a manutenção dos presos, que restam acautelados sem um mínimo de salubridade e de higiene”, afirmou. Segundo a ação do MP, com base nos relatórios, a cadeia sofria com superlotação desde pelo menos 2012, com estrutura física precária.Fonte:Bahia Noticias