OS ENCANTOS DA ZONA RURAL:FOTOS-JOSÉ RIBEIRO

OS ENCANTOS DA ZONA RURAL:FOTOS-JOSÉ RIBEIRO

BEIJO FRIO:A MELHOR SORVETERIA DA BAHIA E O MELHOR SORVETE

BEIJO FRIO:A MELHOR SORVETERIA DA BAHIA E O MELHOR SORVETE
Endereço: Av. Dep. Manoel Novaes, 670 - Centro, Serrinha - BA, 48700-000 Telefone: (75) 3261-1889

A BIBLIA É A PALAVRA DO DEUS VIVO JEOVÁ.

A BIBLIA É A PALAVRA DO DEUS VIVO JEOVÁ.
DISSE JEOVÁ DEUS:"O que seus antepassados viram de errado em mim para que se afastassem tanto de mim,e seguissem ídolos sem valor, e se tornassem eles mesmos sem valor? Os que lidam com a Lei não me conheceram,os pastores se rebelaram contra mim,os profetas profetizaram em nome de Baal e foram atrás daqueles que não podem ajudar ninguém. Por isso continuarei a fazer acusações contra vocês diz Jeová,E farei acusações contra os filhos dos seus filhos". Jeremias 2:1-37

quinta-feira, 25 de março de 2021

Wenceslau Guimarães: Promotoria aciona prefeito acusado de furar fila de vacina

 O Ministério Público do Estado (MP-BA) acionou na Justiça o prefeito de Wenceslau Guimarães, no Baixo Sul, Carlos Alberto, o Kaká (Republicanos), acusado de furar a fila da vacina contra o novo coronavírus (ver aqui). 

A Promotoria de Justiça no município ainda ajuizou a ação civil contra a coordenadora de vigilância epidemiológica municipal, Jucineide Ferreira Cordeiro de Assis. Segundo o site Políticos do Sul da Bahia, o promotor Rodrigo Pereira informou que o gestor, que tem 39 anos, só deveria ser incluído na segunda fase da campanha de imunização.

Como Kaká tinha sido inscrito na categoria de “Trabalhadores da Saúde”, mas na fase 3 da vacinação, ele deveria esperar que outras 888 pessoas do primeiro grupo prioritário recebessem a vacina. No pedido à Justiça, o promotor solicitou que o gestor só receba a segunda dose até o período correspondente à categoria em que está enquadrado.

Já a coordenadora da vigilância foi acusada de violar “o princípio da transparência” ao dificultar e vedar o controle público da vacinação, além de privilegiar pessoas. Para o promotor, o caso fere os princípios da legalidade, impessoalidade e moralidade.

Na denúncia, há referência à vacinação de 18 servidores públicos municipais, não enquadrados em prioridades, que foram vacinados na primeira fase da imunização contra a Covid-19 em Wenceslau Guimarães. Caso haja nova desobediência ao plano de vacinação, o parquet pede que a Justiça multe os acusados em R$ 10 mil.