OS ENCANTOS DA ZONA RURAL:FOTOS-JOSÉ RIBEIRO

OS ENCANTOS DA ZONA RURAL:FOTOS-JOSÉ RIBEIRO

BEIJO FRIO:A MELHOR SORVETERIA DA BAHIA E O MELHOR SORVETE

BEIJO FRIO:A MELHOR SORVETERIA DA BAHIA E O MELHOR SORVETE
Endereço: Av. Dep. Manoel Novaes, 670 - Centro, Serrinha - BA, 48700-000 Telefone: (75) 3261-1889

A BIBLIA É A PALAVRA DO DEUS VIVO JEOVÁ.

A BIBLIA É A PALAVRA DO DEUS VIVO JEOVÁ.
DISSE JEOVÁ DEUS:"Você apenas verá com os seus olhos,será testemunha da punição dos maus. Visto que você disse: “Jeová é o meu refúgio”, Fez do Altíssimo a sua morada; Nenhum desastre virá sobre você, E nenhuma praga se aproximará da sua tenda. Pois ele dará aos Seus anjos uma ordem referente a você,para protegê-lo em todos os seus caminhos". Salmos 91:1-16

sexta-feira, 27 de março de 2020

“O Brasil precisa discutir quem será o fiador das mortes” questiona Dória


O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), fez um pronunciamento duro, na tarde desta sexta-feira (27), contra o afrouxamento da política de isolamento social abrangente para enfrentar o avanço do novo coronavírus. A análise teve alvo certo, embora o tucano não tenha citado o nome do hoje desafeto: o presidente Jair Bolsonaro. “O Brasil precisa discutir quem será o fiador das mortes”, afirmou Doria, que vem às turras com Bolsonaro desde a terça-feira, quando o presidente fez um pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV defendendo o fim do que chamou de “confinamento em massa”.

O governador paulista reage a novas declarações de Bolsonaro criticando “uns poucos governadores” que teriam “errado na dose” das medidas de contenção. O chefe do Executivo federal vem, desde a noite de terça-feira, renovando a defesa do chamado isolamento vertical – apenas de idosos e pessoas de grupos de maior risco (como hipertensos, cardiopatas, diabéticos e portadores de outras doenças crônicas).

Bolsonaro insiste que “crise econômica é pior do que o coronavírus”, porque “saúde sem emprego” é demagogia, e insiste que haverá muito mais mortes com “caos social” gerado pelos impactos econômicos do que com a Covid-19. E tem conseguido adesão de aliados, como governadores de Santa Catarina, Mato Grosso e Rondônia, que já anunciaram afrouxamento ou mesmo fim da quarentena e retomada das atividades econômicas.

Doria também citou essa avaliação, alfinetando que nem ele nem o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, colega de PSDB, trabalham “com futurologia”, mas com dados técnicos e orientações científicas.

No meio dessa troca de farpas – que avançam até a acusações diretas –, tanto o presidente quanto o governador paulista têm repetido que “não é hora de politicagem” e ambos repetem a tese de que “só com união” se poderá avançar no combate à crise do coronavírus. Resta saber onde estará esse ponto de convergência.