OS ENCANTOS DA ZONA RURAL:FOTOS-JOSÉ RIBEIRO

OS ENCANTOS DA ZONA RURAL:FOTOS-JOSÉ RIBEIRO

BEIJO FRIO:A MELHOR SORVETERIA DA BAHIA E O MELHOR SORVETE

BEIJO FRIO:A MELHOR SORVETERIA DA BAHIA E O MELHOR SORVETE
Endereço: Av. Dep. Manoel Novaes, 670 - Centro, Serrinha - BA, 48700-000 Telefone: (75) 3261-1889

A BIBLIA É A PALAVRA DO DEUS VIVO JEOVÁ.

A BIBLIA É A PALAVRA DO DEUS VIVO JEOVÁ.
DISSE JEOVÁ DEUS:"Você apenas verá com os seus olhos,será testemunha da punição dos maus. Visto que você disse: “Jeová é o meu refúgio”, Fez do Altíssimo a sua morada; Nenhum desastre virá sobre você, E nenhuma praga se aproximará da sua tenda. Pois ele dará aos Seus anjos uma ordem referente a você,para protegê-lo em todos os seus caminhos". Salmos 91:1-16

quinta-feira, 26 de março de 2020

Adiar eleição pode não ser pauta primordial e viável, mas será um debate necessário


Mesmo que seja uma minoria, um grupo de políticos influentes começa a ventilar a hipótese de adiamento das eleições para prefeito e vereador em 2020. A tese é rechaçada por operadores do Direito, a exemplo do vice-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Luiz Viana, porém, caso mantidas as perspectivas atuais da crise do novo coronavírus, a hipótese de adiar o pleito vai ganhar força. A discussão perpassa, inclusive, pela campanha para que o Fundo Eleitoral seja utilizado para o combate à Covid-19.

Como a mudança na legislação determinou que os recursos para as eleições venham desse fundo específico ou de doações de pessoas físicas, o eventual uso desse dinheiro para outro fim pode inviabilizar a realização do pleito em outubro. E, por mais que a população mantenha certo nível de ojeriza à classe política, não ter eleição é um problema maior do que fazê-la. Resta saber por quanto tempo essa crise com o novo coronavírus deve continuar.

O fundo eleitoral é uma questão tão delicada que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, preferiu tratar da redução dos salários de parlamentares e servidores ao invés de falar sobre o tema. Maia sabe que mexer com recursos políticos e eleitorais pode causar problemas a longo prazo. Então, é mais cômodo tratar do assunto de maneira tangencial e ver se a população esquece e para de fazer pressão.

De qualquer sorte, o coronavírus já alterou bastante o calendário eleitoral. O mês de março seria marcado, nos bastidores, pelas negociações para mudanças partidárias, especialmente de vereadores que buscam reeleição. O prazo final, mantidas as atuais datas, se encerra no começo de abril e a discussão está muito distante de ser um segundo plano. Eleição não deveria ser prioridade – e, por incrível que pareça, não está sendo tratada assim.

Apesar de muito incipiente, há um debate premente sobre a manutenção ou não de 4 de outubro para a realização do 1º turno de 2020. Parte dos políticos tem se manifestado publicamente para aguardar um pouco para discutir a questão. O limite, no entanto, ainda não é claro. Vai depender da evolução da pandemia da Covid-19 no Brasil. E, a tirar pelos prognósticos recentes, talvez adiar as eleições não seja apenas uma opção.