OS ENCANTOS DA ZONA RURAL:FOTOS-JOSÉ RIBEIRO

OS ENCANTOS DA ZONA RURAL:FOTOS-JOSÉ RIBEIRO

RÁDIO CLUBE SERRINHA .NET MUSICA DE QUALIDADE 24 HORAS

RÁDIO CLUBE SERRINHA .NET  MUSICA DE QUALIDADE 24 HORAS

Você está ouvindo:Rádio Clube Serrinha.NET

BEIJO FRIO:A MELHOR SORVETERIA DA BAHIA E O MELHOR SORVETE

BEIJO FRIO:A MELHOR SORVETERIA DA BAHIA E O MELHOR SORVETE
Endereço: Av. Dep. Manoel Novaes, 670 - Centro, Serrinha - BA, 48700-000 Telefone: (75) 3261-1889

A BIBLIA É A PALAVRA DO DEUS VIVO JEOVÁ.

A BIBLIA É A PALAVRA DO DEUS VIVO JEOVÁ.
DISSE JEOVÁ DEUS:"Será que alguma nação já trocou os seus deuses por outros que não são deuses? Mas o meu próprio povo trocou a minha glória por aquilo que é inútil.Olhem espantados para isso, ó céus;Tremam, tomados de horror’, diz Jeová, ‘Pois o meu povo fez duas coisas más: Abandonaram a mim, a fonte de água viva,e cavaram cisternas,cisternas rachadas, que não podem reter água." Jeremias 2:1-37

terça-feira, 29 de junho de 2021

Um terço das advogadas diz ter sofrido assédio sexual em escritórios, diz pesquisa

Uma pesquisa do Datafolha indica que um terço das mulheres advogadas já sofreram atos de assédio e discriminação em escritórios de advocacia, fóruns e departamentos jurídicos de empresas. Os assédios são praticados por colegas, chefes, clientes e outros profissionais.

O levantamento também revela que cerca de um quarto das advogadas e advogados negros diz ter passado por situação de discriminação racial nos ambientes profissionais em que atua, especialmente no sistema de Justiça. Segundo a pesquisa, 35% das mulheres advogadas relataram ter sido vítimas de discriminação de gênero. Um terço das entrevistadas já sofreu assédio sexual em ambientes de trabalho. Quase um quarto da advocacia negra já sofreu discriminação racial no trabalho.

Do total de entrevistas, 18% afirmaram já ter sofrido assédio sexual cometido por clientes. Indagadas se já foram vítimas desse tipo de crime praticado por colegas de escritório ou do local de trabalho, 17% das entrevistadas responderam positivamente. Os chefes seriam os responsáveis por assédio de 16% das advogadas ouvidas pela pesquisa. O assédio também foi praticado em ambientes como fóruns, conforme relatado por 7% das profissionais.

O trabalho do Datafolha foi encomendado no âmbito da FolhaJus, iniciativa do jornal voltada para os assuntos do mundo jurídico, e teve apoio da empresa Digesto e da AB2L (Associação Brasileira de Lawtechs e Legaltechs). ? O Datafolha ouviu 303 advogados, das cinco regiões do país.Fonte:Bahia Noticias