NOVA RÁDIO CLUBE SERRINHA 24 HORAS NO AR

RADIOS NET:MELHOR PLATAFORMA DE RÁDIOS

A BIBLIA É A PALAVRA DO DEUS VIVO JEOVÁ.

A BIBLIA É A PALAVRA DO DEUS VIVO JEOVÁ.
DISSE JEOVÁ DEUS: "Portanto, eu esmagarei vocês onde vocês estão, Assim como uma carroça carregada de feixes de cereal esmaga o que está embaixo dela. O ligeiro não terá para onde fugir, O forte não manterá a sua força, E nenhum guerreiro escapará com vida. O arqueiro não manterá a sua posição, O que tem pés ligeiros não escapará, E o cavaleiro não escapará com vida. Até mesmo o guerreiro mais corajoso fugirá nu naquele dia’, diz Jeová".Amós 2:1-16

quinta-feira, 8 de abril de 2021

Celso de Mello critica Bolsonaro por não decretar lockdown: 'Insensato' e 'necrófilo'

O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello chamou de “gesto insensato” e de “repulsivo e horrendo grito necrófilo” o fato de o presidente Jair Bolsonaro se recusar a decretar um lockdown nacional para frear o avanço da pandemia da Covid-19.

Segundo a CNN Brasil, as críticas foram feitas em texto enviado pelo WhatsApp a amigos, entre eles, ministros do STF. Na mensagem, Mello disse também que a atitude do presidente é própria “de quem não possui o atributo virtuoso do 'statesmanship'" (estadista) e se caracteriza, "em face de seu inqualificável despreparo político e pessoal", "pela nota  constrangedora e negativa reveladora daquela 'obtusidade córnea' de que falava Eça de Queirós".

Ao elogiar os resultados das medidas de restrição adotadas em Araraquara (SP), Mello afirma que Bolsonaro "tornou-se, com justa razão, o Sumo Sacerdote que desconhece tanto o valor e a primazia da vida quanto o seu dever ético de celebrá-la incondicionalmente!!!".

Aposentado desde outubro do ano passado, Mello afirma que o presidente julga ser "um monarca absolutista ou um contraditório 'monarca presidencial'".

O ex-ministro afirma que a atitude do presidente faz lembrar "o conflito entre Miguel de Unamuno, Reitor da Universidade de Salamanca no início da Guerra Civil espanhola, em 1936, e o General Millán Astray, falangista e seguidor do autocrata Francisco Franco, 'Caudilho de Espanha'”.