OS ENCANTOS DA ZONA RURAL:FOTOS-JOSÉ RIBEIRO

OS ENCANTOS DA ZONA RURAL:FOTOS-JOSÉ RIBEIRO

RÁDIO CLUBE SERRINHA .NET MUSICA DE QUALIDADE 24 HORAS

RÁDIO CLUBE SERRINHA .NET  MUSICA DE QUALIDADE 24 HORAS

Você está ouvindo:Rádio Clube Serrinha.NET

BEIJO FRIO:A MELHOR SORVETERIA DA BAHIA E O MELHOR SORVETE

BEIJO FRIO:A MELHOR SORVETERIA DA BAHIA E O MELHOR SORVETE
Endereço: Av. Dep. Manoel Novaes, 670 - Centro, Serrinha - BA, 48700-000 Telefone: (75) 3261-1889

A BIBLIA É A PALAVRA DO DEUS VIVO JEOVÁ.

A BIBLIA É A PALAVRA DO DEUS VIVO JEOVÁ.
DISSE JEOVÁ DEUS: "Estou para trazer sobre este lugar uma calamidade que fará tinir os ouvidos de quem ouvir falar dela. Farei isso porque eles me abandonaram e tornaram este lugar irreconhecível.Nele estão oferecendo sacrifícios a outros deuses, que nem eles, nem os seus antepassados, nem os reis de Judá conheciam, e encheram este lugar com o sangue dos inocentes. Eles construíram os altos sagrados de Baal para queimar no fogo seus filhos como ofertas a Baal, algo que eu não havia ordenado nem falado e que jamais havia ocorrido no meu coração". Jeremias 19:1-15

terça-feira, 12 de maio de 2020

The Guardian repercute omissão do governo do Brasil sobre mortes de artistas na pandemia


O jornal britânico The Guardian repercutiu, nesta terça-feira (12), a omissão do governo federal sobre as a perda de artistas e intelectuais brasileiros durante a pandemia do novo coronavírus, no que chama de “ano extraordinariamente devastador” para a cultura nacional (clique aqui).

Intitulada como “O silêncio de Bolsonaro sobre a morte de artistas reflete desdém pela cultura brasileira”, a matéria destaca a ausência de homenagens póstumas a nomes como os músicos Aldir Blanc e Moraes Moreira, da matriarca da Portela, Dona Neném, do ator Flávio Migliaccio e dos escritores Luiz Alfredo Garcia-Roza, Sérgio Sant'Anna e Rubem Fonseca.

“Na maioria dos países, tais passagens seriam marcadas com luto oficial ou palavras de homenagem e arrependimento. Mas, embora tenha havido lembrança pública, o presidente de extrema-direita do Brasil, Jair Bolsonaro, respondeu com silêncio - uma reflexão, dizem os críticos, de seu ódio às artes e à academia”, diz o The Guardian, que citou diversos episódios dos embates do presidente com a classe artísticas.

A matéria diz ainda que o “descaso” de Bolsonaro com o setor vem de muito tempo, a exemplo da recusa em assinar o diploma de Chico Buarque, vencedor do Prêmio Camões, o silêncio após a morte do baiano João Gilberto e a indicação de um torturador da ditadura, Carlos Alberto Brilhante Ustra, como um de seus autores favoritos.

O jornal britânico comentou também o recente incidente envolvendo a secretária Especial da Cultura, Regina Duarte, em entrevista à CNN Brasil, quando minimizou a ditadura e justificou a ausência de homenagens aos artistas mortos para que a pasta não podia “virar um obituário” (clique aqui) e ainda o escândalo envolvendo seu antecessor, Roberto Alvim, que fez um pronunciamento oficial cheio de referências nazistas (lembre o caso).